segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Sem mais, nem menos.


Não vou criar grandes expectativas sobre o ano que está por vir, pois o que eu mais aprendi esse ano é que grandes expectativas na maioria das vezes causam grandes decepções. Aprendi a caminhar sem ter tanta pressa. Passos grandes, mas devagar.

O que eu desejo para o ano que vem? Que eu continue com minha Fé e o Amor Maior já está de bom tamanho. As demais coisas só irão me acrescentar, de um modo ou de outro.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

E naquele refrão coube aquele amor.


Como uma música a história daqueles dois era assim:
Feita de sons e silêncios, altos e baixos , versos e "inversos". 
Poeticamente feitos um para o outro.
Num compasso infinito de idas e vindas.
 Harmonia, melodia, sintonia de dois corações.
 A vida daqueles dois já coube em um refrão.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Desproporcional


Minha mente é tão pequena e o mundo tão grande.
Minha mente tão grande e o mundo tão pequeno.
Grande pequeno mundo,
Pequena grande mente.
Se vocês se entendessem eu ficaria mais contente.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Teu corpo é meu texto.

Em teu sorriso, as linhas.
Em teu olhar, as entrelinhas.
Teu corpo, meu texto.
Teu amor, minha inspiração.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Em contos de fada.


Foi estranho. Sentiu o seu coração acelerar, ficou nervosa...mas como assim? Era só uma paixão infantil de uns 12 anos atrás. Mas estava ali vendo-se diante dele, trocando as palavras, as sílabas. Não sabia o que estava acontecendo. Será que ele percebeu? Após a saída dele, abaixou a cabeça numa tentativa inútil de tentar entender o que estava acontecendo - Merda (pensou alto). Por que se desestabilizou assim se já se reencontraram tantas vezes e se o seu coração quase involuntariamente pertencia a outro alguém? Então lembrou-se dos contos de fadas e de quando criança e imaginava que ele era seu príncipe. Que em sua cabecinha de menina sonhadora viveriam felizes pra sempre desconsiderando todos os percalços do caminho. O fato é: esteve com seu príncipe, mesmo sendo seu príncipe só em outro tempo, em outra dimensão, só em seus sonhos de criança, só nos contos de fada. Contos de fada são surreais e a realidade da vida é outra e quando esses mundos se cruzam devem entrar em choque... é deve ter sido isso.

Escrito em 16/11/2012

domingo, 9 de dezembro de 2012

O que eu conto nas cartas ...


Nas cartas eu escrevo o quanto eu te amo, o quanto sinto a sua falta, conto como são meus dias sem você. Conto nossos planos passados e sonhos futuros. Conto todas as partes de mim que os demais não podem saber (eles não entenderiam). Meus maiores medos e temores. Só tem uma coisa não envio essas cartas, ao contrário, guardo direitinho, quase secretamente no canto da gaveta. Já nas cartas que eu mando...ah já ia esquecendo não mando mais cartas.

domingo, 2 de dezembro de 2012

O que eu faço com isso?


O que eu faço com os presentes? E as cartas (lindas e manuscritas), o que faço com elas? Juntei tudo e coloquei em um cantinho no armário do quarto. Mas o que faço com tudo isso? Porque eu posso até jogar fora (embora não vá fazer isso) e as lembranças? O que faço com elas. Elas estão aqui dentro e machucam, mesmo as boas. Machucam porque são apenas imagens. Imagens de um passado que não se faz presente. Imagens que de tão lindas me fazem chorar por saber que são imagens que não voltarão a se concretizar.